Upstream

Greve paralisa 25 plataformas, 11 refinarias e terminais da Petrobras em 12 estados

 A paralisação de 24 horas realizada pelos petroleiros, nesta sexta-feira, em todo o país atingiu à tarde desta sexta-feira 25 plataformas de produção na Bacia de Campos, além de 11 refinarias e terminais, em 12 estados, segundo dados da Federação Única dos Petroleiros (FUP), que organiza o movimento.  Nas plataformas, 17 foram entregues às equipes de contingência para a manutenção das operações. Os petroleiros protestam contra o corte nos investimentos da Petrobras e o programa de venda de ativos que pode chegar a US$ 57 bilhões até 2019 — assunto que será discutido hoje na reunião do Conselho de Administração da companhia. Os sindicatos protestam contra os planos da petroleira de vender US$ 15,1 bilhões em ativos até o fim de 2016 e defendem uma Petrobras 100% estatal.

Indústria Naval

FPSO Cidade Maricá chega ao estaleiro Brasa para montagem de módulos

Já está no estaleiro Brasa, em Niterói, o navio-plataforma FPSO Cidade de Maricá (foto). onde vai receber os módulos fabricados no Brasil, que o transformarão num navio plataforma com capacidade para retirar e processar 150 mil barris diários de petróleo do fundo do mar. A embarcação, que veio do estaleiro de Chengxi, na China, onde foi realizada a conversão do casco, vai operar no campo de Lula, no pré-sal da Bacia de Santos. A plataforma é de propriedade do consórcio formado pela SBM Offshore, Mitsubishi Corporation, Nippon Yusen Kabushiki Kaisha e Queiroz Galvão Óleo e Gás. A SBM é o sócio controlador do consórcio, com 56%.

Recursos Humanos

Conheça os 11 profissionais mais difíceis de se recolocar no mercado

A Page Personnel, empresa de recrutamento especializado de profissionais técnicos e de suporte à gestão, parte do PageGroup,realizou levantamento sobre os profissionais que passam mais tempo para conseguir uma nova oportunidade de trabalho. A consultoria mapeou 11 cargos onde a espera para se recolocar no mercado pode durar até um ano, como é o caso de supervisor de obra.

Negócios

Ingevity será o novo nome da divisão MWV Specialty Chemicals

A partir de 1º de setembro, a divisão MWV Specialty Chemicals, do Grupo WestRock, começa a operar sob o nome Ingevity. Conforme já anunciado, o negócio será separado do Grupo WestRock em uma empresa independente, com ações negociadas na bolsa de valores americana, até o final de 2015. No Brasil, a MWV Specialty Chemicals conta com unidade para produção de derivativos, em Duque de Caxias (RJ), uma biorrefinaria, única na América Latina, em Palmeira (SC). Os escritórios comerciais e administrativos ficam em Campinas (SP) e no Rio de Janeiro (RJ).

Emprego

 Weatherford contrata Técnico de Planejamento I e IRM Serv oferece 3 vagas de Caldereiro Offshore

Leia aqui outras ofertas de emprego disponibilizadas diretamente pelas empresas interessadas ou por profissionais de Recursos Humanos para as áreas de petróleo, gás e indústria naval, com destaque para a região de Macaé, na Bacia de Campos. Lembramos que os currículos devem ser enviados diretamente para os emails fornecidos em cada oportunidade de emprego publicada.

Pré-Sal

Libra, no pré-sal, terá perfuração de 2 novos poços este ano, diz PPSA

 A área de Libra, uma das principais reservas de petróleo já descobertas no pré-sal brasileiro, deve ter ao menos dois novos poços exploratórios perfurados neste ano pelo consórcio que detém os direitos de exploração, disse nesta quarta-feira o presidente da estatal Pré-Sal Petróleo S.A. (PPSA), Oswaldo Pedrosa. Dois poços já haviam sido iniciados no ano passado pelo consórcio liderado pela Petrobras, disse o presidente da empresa estatal que representa o governo na gestão das áreas exploradas sob o modelo de partilha da produção. "Os membros do consórcio de Libra estão mantendo investimentos, o projeto está em curso", afirmou Pedrosa. O certame de Libra foi vencido pelo consórcio liderado pela Petrobras, com 40% de participação. Também integram o grupo a francesa Total, com 20%, a anglo-holandesa Shell (20%) e as chinesas CNOOC e China National Petroleum Corp (CNPC), cada uma com 10%.

Legislação

Governo vê como certa derrota em lei sobre participação da Petrobras no pré-sal

O Palácio do Planalto dá como certa a derrota no Congresso com a aprovação do projeto de lei que desobriga a Petrobras de ter uma participação mínima de 30% em blocos do pré-sal e de ser a operadora única dos campos, disse uma fonte do governo com informações sobre o assunto. "Não vai ter jeito. O governo já sabe que não vai conseguir impedir essa derrota", disse. O projeto que retira da Petrobras a participação mínima de 30% nos consórcios a serem estruturados para a exploração do pré-sal será submetido à votação direta no plenário do Senado, sem passar por comissões, uma vez que tramita em regime de urgência.

O seu site favorito de O&G